Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Institucional > Notícias > “Poder público deve proporcionar transformação social por meio da educação”, afirma Rogério Cruz ao premiar estudantes vencedores do concurso de redação sobre violência contra a mulher
Início do conteúdo da página

“Poder público deve proporcionar transformação social por meio da educação”, afirma Rogério Cruz ao premiar estudantes vencedores do concurso de redação sobre violência contra a mulher

Criado: Sexta, 13 de Maio de 2022, 12h40 | Publicado: Sexta, 13 de Maio de 2022, 12h40 | Última atualização em Sexta, 13 de Maio de 2022, 12h42

Dez alunos da rede municipal de ensino se destacam na abordagem do tema: “Violência Contra as Mulheres – Triste Realidade”, nas categorias crônica e história em quadrinhos. Eles são premiados com notebooks, celulares, tablets e caixinhas de som. Ação tem por objetivo conscientizar crianças e adolescentes. Prefeito destaca empenho de professores, em especial durante a pandemia, quando aulas foram on-line. “Vivemos um período de enormes dificuldades, mas contamos com um plano pedagógico de qualidade”, pontua

premiaçãoO prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, afirmou, nesta quinta-feira (12/05), que é papel do poder público oferecer as bases para a transformação social por meio da educação. Ele participou de evento no Paço Municipal que premiou alunos da rede municipal de ensino vencedores do concurso de redação “Violência Contra as Mulheres – Triste Realidade”.

“É nosso papel educar e promover avanços sociais por meio da educação, bem como levar conhecimento às pessoas mais necessitadas, em situação de vulnerabilidade. Precisamos ser agente de transformação na vida dos cidadãos”, ressaltou o prefeito, que elogiou os professores pelo tema escolhido para o concurso, e pela sensibilidade de abordar a violência contra a mulher nas salas de aula.

“Precisamos formar cidadãos conscientes, que não tolerem a violência, que respeitem as mulheres, que saibam o quanto elas têm direito de ocupar os espaços que quiserem”, disse o prefeito. Ele também destacou importância do trabalho dos profissionais de educação da rede municipal de ensino, principalmente durante o período da pandemia de Covid-19. “Aos nossos professores e aos nossos pedagogos, fica a gratidão por terem se empenhado tanto, ainda mais durante a pandemia, quando as aulas foram on-line. Foi um período de enormes dificuldades, mas contamos com um plano pedagógico de qualidade”, disse.

O secretário Municipal de Educação, Wellington Bessa, disse que ações como o concurso são essenciais para levar debates como o da violência contra a mulher para dentro das escolas, a fim de auxiliar na formação dos alunos como cidadãos. “Vocês, crianças, também devem se indignar, escrever e se manifestar no sentido de que hoje, na nossa sociedade, não existe mais espaço para agressões contra as mulheres. Enquanto não existir uma cultura de denúncia, a violência contra a mulher continuará a acontecer de maneira velada”, observou.

Parceira no desenvolvimento do concurso, a secretária municipal de Políticas para as Mulheres, Tatiana Lemos, lembrou que muitos alunos podem conviver com a violência contra a mulher em suas casas, e que o projeto foi elaborado para fomentar o debate e a conscientização de crianças e adolescentes.

“O grande objetivo é fazer com que as crianças e adolescentes pudessem entender, desde sempre e desde agora, o que é a violência contra a mulher. Muitos, infelizmente, vivem na prática essa realidade em casa. Mas nós queríamos que, por meio do concurso, essa discussão fosse levada para dentro dos lares”, afirmou.

Tatiana também contou que a madrinha do concurso, a conselheira seccional e ouvidora da Mulher da OAB-GO, Priscila Rezende, se ofereceu para patrocinar a premiação. Durante discurso, Priscila afirmou que é uma ativista tanto na área da educação como do direito da mulher, e que o prefeito Rogério Cruz valoriza ambas as pautas na sua administração.

“Eu fiquei muito emocionada de ver o quanto essas pautas são importantes e valorizadas pelo nosso prefeito. Com o advento da pandemia, a violência contra a mulher aumentou indistintamente. É um fato triste, mas é um fato real e que precisa ser combatido. Eu me empenhei em ajudar porque só a educação salva, e afasta o medo. O nosso futuro são as crianças, uma base sólida de educação vai fazer toda a diferença lá na frente”, disse.

Premiação
Cinco alunos foram premiados em duas categorias de gêneros textuais: crônicas, com alunos do 9º ano, e história em quadrinhos, com alunos do 5º ano. Na categoria crônicas, a primeira colocação foi de Julia Gabriela Mendes Vieira, estudante da Escola Municipal Amâncio Seixo de Brito, com a crônica “O apartamento de cima”. A segunda colocação foi de Júlia Vieira de Freitas, aluna da Escola Municipal Presidente Vargas, com a crônica “Mãe, por que teve que ser assim com você?”. A terceira posição ficou com Pedro Henrique Nunes dos Santos, estudante da Escola Municipal Dom Tomás Balduino, com a crônica “Violência contra a mulher”.

Na categoria história em quadrinhos, o vencedor foi Davi Gass de Azevêdo, aluno da Escola Municipal Paulo Teixeira de Mendonça. A segunda colocação ficou com Arthur Luka Ferraz Silva, da Escola Municipal Frei Demétrio Zanqueta. E a terceira posição foi de Emanuelle Vitória Batista, aluna da Escola Municipal Bárbara de Souza Morais.

A diretora da Escola Municipal Amâncio Seixo de Brito, Silvana Santos Assis, afirmou que o concurso teve excelente receptividade entre os alunos. A escola participou com 324 redações, contemplando as seis turmas do 5º e 9º ano. Silvana disse que o tema é pertinente, porque dentro da comunidade escolar existem casos de violência na família dos alunos.

“A violência contra a mulher é um tema que estamos trabalhando há dois anos. Os nossos estudantes têm tido aulas e palestras, os professores têm incentivado bastante. Infelizmente, na nossa comunidade, nós temos alguns casos de famílias em que mulheres têm sido maltratadas. Temos até um caso de feminicídio. É um tema bastante importante e os alunos abraçaram essa causa”, afirmou a diretora.

Participaram da solenidade os secretários municipais Valéria Pettersen (Relações Institucionais), Cida Garcêz (Direitos Humanos e Políticas Afirmativas), Durval Pedroso (Saúde), o presidente da CMTC, Tarcísio Abreu, e a presidente do Conselho Estadual da Mulher, professora Ana Rita.

Premiação

Gênero Textual: Crônica

1ª Colocação: “O apartamento de cima”, de Julia Gabriela Mendes Vieira – Escola Municipal Amâncio Seixo de Brito

2ª Colocação: “Mãe, por que teve que ser assim com você?”, de Júlia Vieira de Freitas – Escola Municipal Presidente Vargas

3ª Colocação: “Violência contra a mulher”, de Isabel Eloá Silva Ribeiro – Escola Municipal Dom Tomás Balduino

4ª Colocação: “Violência contra a mulher”, de Pedro Henrique Nunes dos Santos – Escola Municipal Dom Tomás Balduino

5ª Colocação: “Divisão de tarefas”, de Isabela Valentina Pequeno Pimentel – Escola Municipal Professora Silene de Andrade

Gênero Textual: História em Quadrinhos

1ª Colocação: Davi Gass de Azevêdo – Escola Municipal Paulo Teixeira de Mendonça

2ª Colocação: Arthur Luka Ferraz Silva – Escola Municipal Frei Demétrio Zanqueta

3ª Colocação: Emanuelle Vitória Batista – Escola Municipal Bárbara de Souza Morais

4ª Colocação: Kamilla Vitória Sousa Silva – Escola Municipal Direito do Saber

5ª Colocação: Jhonata da Conceição Silva – Escola Municipal Alonso Dias Pinheiro

Secretaria Municipal de Comunicação (Secom) – Prefeitura de Goiânia

registrado em:
Fim do conteúdo da página